Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé
Aprendizagem: caminho do jovem contra a vulnerabilidade

Publicado em: 05 Mai 2016 | APRENDIZAGEM

Eleito como o Ano da Aprendizagem, pelo Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem, 2016 terá uma série de ​a​ções em todo o Brasil com o objetivo de possibilitar aos jovens uma entrada digna no mercado de trabalho. O Senac é parceiro do TRT-8ª  na Semana da Aprendizage, que ocorre até sexta (06).

Estimular a geração de emprego e renda para a juventude está diretamente ligado ao ingresso no mercado de trabalho de forma legal, através da Lei de Aprendizagem (10.097/2000). É justamente esse o objetivo da Semana Nacional da Aprendizagem. “Essa ação é uma contribuição da Justiça do Trabalho para que possamos mostrar novos caminhos para os adolescentes da nossa cidade e toda a nossa região, no sentido de que​,​ se precisam trabalhar, que seja dentro da lei da aprendizagem, que prepara profissionalmente de forma adequada e conjuga o ensino normal com o ensino técnico e profissional​. Dessa forma impede que o adolescente abandone a escola”, afirma a Desembargadora Maria Zuíla Dutra, Gestora Regional da Comissão de Erradicação do Trabalho Infantil do TRT8 e Membro do Comitê Nacional.

De acordo com a magistrada, a promoção da aprendizagem impacta diretamente na redução dos casos de trabalho infantil, que é o foco da Comissão. “Em regra, no trabalho infantil a evasão escolar é muito grande. No trabalho por meio da aprendizagem ele é obrigado a permanecer na escola e a manter um bom nível de aproveitamento escolar, e isso faz com que não só o adolescente se prepare de forma adequada para a vida profissional, como também reduz o trabalho infantil. Estamos com índice elevadíssimo de trabalhadores na faixa etária de 14 a 17 anos, o que representa cerca de 84% dos trabalhadores infantis do Brasil. ​À​ medida que os empresários tomarem consciência de que precisam preencher as cotas de aprendizagem​,​ da sua responsabilidade social, e abrirem as portas para os aprendizes, estaremos ao mesmo tempo reduzindo o trabalho infantil e preparando adequadamente o profissional”, destaca.

Mais de 50% dos encarcerados no Brasil estão entre 18 e 24 anos

Hoje, no Brasil, os dados relacionados aos jovens apresentam índices preocupantes como​,​  por exemplo, os relacionados ​à​ segurança pública. De acordo com o Mapa do Encarceramento 2015, dos mais de 500 mil encarcerados existentes no país, 54,8% são de jovens entre 18 e 24 anos. Segundo o Juiz de Execuções Penais da Região Metropolitana de Belém, Cláudio Rendeiro, “apesar de o código penal tratar de diversos tipos penais, 80% de quem está no sistema carcerário hoje, está preso respondendo por crime contra o patrimônio, que vai de uma simples receptação ou furto de uma bicicleta, até sua forma mais grave que é o latrocínio​ ( roubo seguido de morte ou de graves lesões corporais à vítima)​.  Assim, é inegável admitir que precisamos estimular a geração de emprego e renda”.

Para o Juiz da 3ª Vara da Infância e Juventude de Belém, Vanderley Oliveira, que vivencia diariamente a realidade de crianças e adolescentes em conflitos com a lei e cumprindo medidas sócio-educativas, o estímulo à aprendizagem é fundamental para que esses jovens comecem a pensar de forma real e concreta o futuro. “Isso é dignidade. Temos hoje uma gama cada vez maior de jovens que estão atirados na exclusão social e isso implica na avalanche da violência e da criminalidade infanto-juvenil que hoje a sociedade brasileira está sofrendo sem precedentes. Então, precisamos atacar essa chaga social, dar oportunidade e proporcionar uma formação profissional que eles possam realmente ingressar no mercado de uma forma potencializadora. (...) isso contribuirá para a formação de uma sociedade embasada em princípios humanitários”, declarou.

O que diz a Lei:

- Pode ser Aprendiz adolescentes e jovens de 14 até 24 anos incompletos, que estejam cursando ensino fundamental ou médio, ou já tenham concluído. Exceto para portadores de deficiência, que não há limite máximo de idade.

- A contratação tem prazo determinado de 2 anos, exceto para portadores de deficiência.

- Empresas de médio e grande porte devem contratar aprendizes cumprindo a conta de no mínimo 5% e no máximo 15% dos trabalhadores existentes.

- O jovem deve ser capacitado por instituição formadora autorizada.

Fonte: Site TRT-8ª

Em caso de dúvidas, entre em contato através de nossa Central de atendimento ou através de nossa fanpage no Facebook.




Mais notícias

Mais notícias



Em caso de dúvidas

Entre em contato conosco.

0800 701 4492
atendimento@pa.senac.br